Postado em domingo, 26 de maio de 2019 às 22:10

Atos pró-Bolsonaro são realizados com ‘racha’ entre apoiadores e ‘infiltração’ de manifestantes contrários

Duas manifestações foram realizadas em Alfenas em defesa do atual governo; STF e Congresso Nacional foram alvos de críticas.


Da Reportagem

Duas manifestações em apoio ao presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), foram realizadas em Alfenas neste domingo, evidenciando um “racha” entre os apoiadores. O segundo ato, que reuniu maior número de pessoas, foi invadido por três manifestantes contrárias ao governo, que exibiram cartazes e conseguiram dispersar parte das falas.

As duas manifestações aconteceram na Mão Inglesa, na Praça Getúlio Vargas. A primeira foi no final da manhã, organizada pelo candidato a deputado federal pelo PSL na última eleição Pedro Alencar de Azevedo (Pedrinho do Minas Acontece). Os atos foram convocados pelas redes sociais.

No período da tarde, um grupo maior de manifestantes, em grande parte exibindo as cores verde e amarela com bandeiras do Brasil e camisetas da seleção brasileira, se concentrou na Mão Inglesa. No local havia um caminhão com som e o microfone foi aberto aos manifestantes, o que também havia ocorrido pela manhã.

As manifestações foram realizadas na Mão Inglesa, onde os participantes exibiram as cores verde e amarelo (Fotos: Alessandro Emergente/Alfenas Hoje)


Pela manhã, houve falas críticas ao STF (Supremo Tribunal Federal) e ao chamado “centrão”, grupo de deputados que apoiaram Bolsonaro, mas que estariam ‘travando’ as pautas do governo. O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), também houve de críticas nas manifestações.

A manifestação seguia concentrada na Mão Inglesa com o microfone aberto aos participantes, que fizeram discursos em defesa do governo e pró de pautas governistas, como a “Reforma da Previdência”. Mas, pouco antes das 15h, três manifestantes infiltraram no ato e passaram a exibir cartazes contrários ao governo.

Intimidação ao trabalho da imprensa

A ação dos manifestantes antigoverno provocou reação de organizadores, que pediram a presença da Polícia Militar. A reportagem do Alfenas Hoje passou a registrar imagens das cenas e passou a ser hostilizado por um dos manifestantes por registrar o desdobramento.

Manifestantes contrárias a Bolsonaro infiltraram na mobilizaram e exibiram cartazes contrários ao governo. Acima, uma das manifestantes exibe um cartaz diante de protesto dos demais participantes do ato (Fotos: Alessandro Emergente/Alfenas Hoje)


Um dos manifestantes passou a ofender com expressões “lixo” e a tentar a intimidar o trabalho da reportagem e só parou com a intervenção de um policial militar. Na sequência, o comerciante Cláudio Antônio dos Santos (Cláudio da Floricultura), candidato derrotado a vereador nas últimas eleições, passou a hostilizar a reportagem dizendo “não tenho medo de vocês”, numa provável referência ao trabalho da imprensa.

A partir daí, a reportagem solicitou apoio de organizadores para que o trabalho jornalístico fosse respeitado no local. Apesar disso, alguns manifestantes mantiveram um tom hostil ao trabalho da imprensa. Ao final, uma manifestante disse que não era papel da reportagem registrar imagens das manifestantes contrárias.

Manifestação

A manifestação prosseguiu com o microfone aberto para falas dos participantes. Entre eles, o ex-prefeito Maurílio Peloso, que esteve no comando da Prefeitura de Alfenas de 2013 a 2016 pelo PDT. Peloso pediu apoio ao atual presidente para que ele possa implementar as reformas necessárias para o desenvolvimento do País.

Os manifestantes ainda cantaram o hino nacional e, por volta das 15h50, a concentração foi encerrada.

Num estilo agressivo, um dos manifestantes tentou intimidar a reportagem por ter registrado fotos no momento que manifestantes contrárias ao governo levantaram os cartazes (Foto: Alessandro Emergente/Alfenas Hoje)


Durante a semana, Pedrinho do Minas Acontece divulgou um vídeo no qual convocava as manifestações para às 11h da manhã, mesmo horário programado para Varginha e Pouso Alegre. Na gravação, ele criticava outros grupos políticos por agendar a manifestação em outro horário. Entre os alvos da crítica estava o PDT, o qual classificou como de “esquerda”. No cenário nacional, o PDT é oposição ao atual governo. Durante a manifestação, os participantes negaram que o evento fosse promovido por partidos políticos.

Em reação aos atos do último dia 15, registrado também em Alfenas, em que manifestantes foram às ruas em protesto pelo bloqueio de recursos para educação, Bolsonaro chamou a manifestação em seu apoio, causando cisão entre os apoiadores sobre a pertinência do ato. Acabou recuando e decidiu não participar e ainda vetou a presença de ministros. Porém, passou a classificar o movimento como algo espontâneo.



DEIXE SEU COMENTÁRIO

Caracteres Restantes 500

Termos e Condições para postagens de Comentários


COMENTÁRIOS

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.