Postado em terça-feira, 12 de agosto de 2014 às 12:14

Vereador cobra resultado nas investigações sobre três homicídios recentes

Os crimes foram registrados completaram 40 dias e não há nenhum suspeito preso.


 Da Reportagem

O presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara Municipal, Vagner Moraes (Guinho/PT), cobrou, durante a sessão legislativa de segunda-feira, o resultado das investigações da Polícia Civil sobre os três assassinatos que ocorreram em Alfenas no mês passado. Os crimes foram registrados em um intervalo de menos de duas semanas e, completados 40 dias, ainda não há nenhum suspeito preso.

O vereador enumerou os assassinatos recentes e disse que, após 40 dias, “passou da hora” da Comissão de Direitos Humanos cobrar uma resposta. Reconheceu, porém, a falta de condições de trabalho dada pelo Governo do Estado, citando que muitas vezes os policiais precisam também fazer serviços internos, devido o baixo número de profissionais.

O parlamentar citou, como exemplo do “descaso do governo do Estado”, que 400 municípios mineiros não tinham sequer delegados, situação que foi melhorada após intensas cobranças da sociedade civil e das comissões de Direitos Humanos.

Três pessoas foram executadas em Alfenas no início de julho em um intervalo de 12 dias. O último caso registrado foi na zona rural, onde um corpo foi encontrado na Fazenda Samambaia, que fica no Km 2 entre Alfenas e Serrania (próximo ao trevo de acesso a BR 267).  

Outros dois casos foram registrados: o assassinato de um comerciante no bairro Residencial Oliveira e o de um jovem de 19 anos, também com disparos de arma de fogo, ao lado da Praça Amália Engel (Praça da Estação). Neste último caso, a Polícia Civil, segundo o vereador, já tem um suspeito. É um policial militar.

Votação

Durante a sessão legislativa, três projetos de lei estavam na pauta. Em primeiro turno, os vereadores aprovaram a proposição que altera a Lei Municipal n˚ 4.132/2009, que concede isenção tributária aos templos religiosos e associações. Diferente do que foi informado na semana passada, esse projeto passou pelo plenário em primeira votação nessa última segunda-feira.  

Na semana passada, os vereadores haviam aprovado o projeto de lei que altera a regulamentação das normas de prevenção e combate a incêndio – Lei n˚ 4.521/2013. Na prática inclui os profissionais de arquitetura no texto. Porém, o projeto foi adiado por mais 15 dias a pedido do vereador Antônio Carlos da Silva (Dr. Batata/PSB). Também foi aprovado, em segundo turno, a criação do Conselho Municipal de Proteção e Defesa dos Animais, também de autoria de Dr. Batata.



DEIXE SEU COMENTÁRIO

Caracteres Restantes 500

Termos e Condições para postagens de Comentários


COMENTÁRIOS

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.