Postado em sexta-feira, 23 de agosto de 2013 às 10:20

Poluição no Lago de Furnas é maior em Alfenas, diz pesquisa

Uma pesquisa, realizada pela Epamig (Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais), coloca Alfenas com o maior índice de poluição em todo o Lago de Furnas.


Da Redação

Uma pesquisa, realizada pela Epamig (Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais), coloca Alfenas com o maior índice de poluição em todo o Lago de Furnas. O pior é que o esgoto in natura (sem tratamento), pago pelos consumidores nas contas da Copasa (Companhia de Abastecimento de Minas Gerais), é o maior causador da poluição.

Os consumidores de Alfenas pagam, todo mês, uma taxa de 90% sobre o consumo de água para custear o tratamento de esgoto no município. Em fevereiro deste ano, moradores de duas bacias do município (Córregos Chafariz e Boa Esperança) passaram a pagar a tarifa máxima de 90% - até então pagavam 50%. Em outras três bacias, os consumidores já pagam a “tarifa cheia” desde agosto de 2011.

O ambientalista Itamar Silva diz que não há uma fiscalização intensiva sobre os serviços da Copasa, o que deixa a população diante do discurso da empresa, que tem como acionista o Governo de Minas. Segundo ele, a escassez no número de peritos no Ministério Público (MP) provoca a lentidão de inquéritos na área ambiental, que ficam parados à espera de laudos técnicos. 

Foto: Arquivo/Alfenas Hoje 

O principal foco de poluição no Lago de Furnas está em Alfenas

A Copasa chegou a enfrentar ações judiciais, durante o mandato passado, por não executar o tratamento do esgoto em toda a cidade como prevê o contrato de concessão, assinado em 2003. Uma delas foi para suspender a cobrança enquanto não iniciasse 100% do tratamento e uma outra solicitava uma multa por extrapolar o prazo para início da operação do sistema. Nesta segunda a empresa chegou a ter as contas bloqueadas.

A pesquisa

O levantamento, feito pela Epamig, foi entre os meses de maio e novembro do ano passado e considerou 120 pontos do Lago, de onde foram feitas as coletas.

O prejuízo para a criação de peixes é uma das consequências, uma vez que, em determinadas épocas do ano, a água pode ficar imprópria para a criação de peixes. “Precisamos ter um controle maior dos municípios e dos produtores que estão nas áreas. É necessário que eles também acompanhem”, alerta a pesquisadora da Epamig, Elizabeth Lomelino Cardoso.

O engenheiro responsável pela Copasa em Alfenas, Leandro Borges, disse, entrevista ao G1, que 96% do esgoto da cidade vem sendo tratado. Admite que em dois bairros da cidade, o Vila Teixeira e o Vista Alegre, o esgoto ainda é lançado diretamente em córregos do município.

LEIA MAIS:

Copasa anuncia R$ 1 milhão de investimento em sistema de esgoto

Câmara aprova suspensão da taxa de esgoto pela Copasa



DEIXE SEU COMENTÁRIO

Caracteres Restantes 500

Termos e Condições para postagens de Comentários


COMENTÁRIOS

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.