Postado em domingo, 13 de setembro de 2020

Veja como se comportou o consumo de carne bovina na Europa em meio à pandemia

Em participação no Giro do Boi desta quinta, 03, o zootecnista Juliano Jubileu, diretor de exportações da JBS Unifleisch, fez um balanço do mercado de carne bovina na Europa após a chamada primeira onda da pandemia de coronavírus no Velho Continente.


 Jubileu ressaltou que o setor produtivo brasileiro esteve preparado para adaptar a produção a uma demanda que sofreu variações por conta do lockdown.

“Este carro-chefe que a gente faz no Brasil e exporta para a Europa resfriado (como a alcatra, o contrafilé, o filé mignon, o entrecot, que é a ponta do contrafilé), quando chegou aqui e teve o lockdown, ele teve que ser congelado porque boa parte do food service (restaurantes, hoteis, lanchonetes) fechou. A única coisa que funcionava era o varejo, os supermercados. Como esse produto foi congelado quando teve o lockdown, após dois meses de lockdown, quando o mercado abriu ou flexibilizou, não tinha produto resfriado no mercado, então isso foi muito positivo para a carne resfriada do Brasil, principalmente os cortes nobres. […] Isso teve procura e o Brasil estava preparado para atender a demanda. Essa demanda continua ainda. Agora ela deu uma enfraquecida porque é um período de férias, que tem muita gente viajando, alguns casos de Covid-19 que tem aumentado aqui na Europa, e isso faz com que os compradores tenham sejam mais conservadores em relação a tomada de risco ou posicionamento das compras, mas, no geral, para a carne resfriada foi muito positivo, foi muito bom para o Brasil e nós conseguimos escoar muito bem”, avaliou.

Mesmo para a carne congelada, conforme informou o diretor, o Brasil não encontrou muitas dificuldades e continuou posicionando o produto na Europa. “No geral, eu acredito para o Brasil foi muito positivo”, classificou.

De acordo com Jubileu, os ministérios da saúde dos países europeus como um todo estão mais bem preparados para lidar com a chamada segunda onda da pandemia, com número de mortes controlado e também com leitos disponíveis para lidar com os casos da doença. Por isso, a crença é que esta nova leva de infecções deve ser menos intensa do que a primeira, o que rechaça a possibilidade de um segundo lockdown, mas ao mesmo tempo ainda mantém o comportamento de consumo um pouco mais conservador.

O diretor revelou que fez sua última participação no quadro Giro pelo Mundo depois de mais de seis anos como uma espécie de correspondente do Giro do Boi na Europa, uma vez que assumirá novos desafios dentro da companhia, desta vez mais ligados aos mercados de aves e suínos. Assim, Jubileu fez um balanço dos seis anos em que atuou no comércio da carne bovina no Velho Continente e como a pecuária brasileira evoluiu de modo a fidelizar o mercado consumidor por lá.

“O Brasil evoluiu muito. Eu acho que o agro hoje, e está é uma palavra que está na moda, mas a agropecuária se profissionalizou. A indústria se profissionalizou. Hoje a gente deixa de só fazer uma venda de commodity ou de carne e a gente presta um serviço. A gente tem uma carne de qualidade, a gente tem uma carne produzida com sustentabilidade, que respeita toda a questão ambiental, que respeita a água, que respeita o crédito de carbono, toda a questão de responsabilidade social, então acho que o Brasil evoluiu muito, vem fazendo a lição de casa e acho que em todos os programas que eu tive oportunidade de participar, eu reforcei isso. Vem fazendo tudo muito bem feito e cada vez mais a gente entrega um produto de qualidade e seguro, do jeito que o consumidor quer”, sustentou.

“O serviço vai lá da porteira até a indústria, passando por toda a criação do animal, o abate de animais mais jovens, mais precoces, melhoramento genético, nutrição. Já entrando na indústria, a indústria investiu muito em cadeia de frios, em processamento para entregar um produto sempre de melhor qualidade. Foi uma evolução fantástica! A gente vê pelos números, a gente vê pelos preços que o Brasil vem praticando. O Brasil sempre foi muito competitivo, vai continuar sendo competitivo, tem uma carne extremamente saudável, magra e que o consumidor quer. E isso é graças ao grande esforço e trabalho que os pecuaristas vêm fazendo, vêm se adequado e vêm se profissionalizando”, destacou.

 

 

 

 

 





Fonte: Giro do Boi



DEIXE SEU COMENTÁRIO

Caracteres Restantes 500

Termos e Condições para postagens de Comentários


COMENTÁRIOS

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.