Postado em segunda-feira, 27 de julho de 2020 às 06:06

OMS alerta que quase metade de todos os casos de coronavírus no mundo estão concentrados nos EUA, Brasil e Índia

Com a reabertura dos estabelecimentos, cada indivíduo se torna mais responsável pela sua segurança e segurança das pessoas a sua volta, defendeu Tedros Adahnon nesta quinta (23).


 A Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou nesta quinta-feira (23) que quase metade de todos os casos de coronavírus no mundo estão concentrados em apenas 3 países: Estados Unidos, Brasil e Índia.

"Quase 10 milhões de casos da Covid-19, ou dois terços de todos os casos no mundo, são de 10 países. Quase metade de todos os casos relatados até agora são de apenas três países", informou o diretor-geral da OMS, Tedros Adahnon. "Embora todos os países tenham sido afetados, continuamos a ver intensa transmissão em um grupo relativamente pequeno de países", complementou.

A OMS informou que mais de 15 milhões de casos da Covid-19 já foram relatados à agência, além de quase 620 mil mortes.

Ainda nesta quinta, Tedros alertou que, diante das flexibilizações e abertura dos países infectados pelo coronavírus, aumenta a responsabilidade de cada pessoa para ajudar a barrar a transmissão do vírus.

"Onde vão, o que fazem e com quem se encontram devem ser encarados como decisões de vida e morte", disse o diretor-geral. "Suas escolhas podem fazer a diferença entre a vida e a morte para um ente querido ou para um estranho."
"Conhece o número de casos relatados na sua região? Sabe onde encontrá-los?", questionou Tedros. "Está higienizando suas mãos frequentemente? Está seguindo as recomendações das autoridades locais?"


Dando como exemplo os jovens que já se mobilizam em torno das causas ambientais e raciais, Tedros pediu que os jovens se mobilizem em torno da garantia da saúde como um direito humano. "Precisamos que os jovens comecem um movimento global em torno da saúde", pediu.

Quanto aos casos concentrados nos EUA, Brasil e Índia, o diretor de emergências da OMS, Michael Ryan, disse que "as pessoas olham para esses países em busca de liderança", e que é preciso que os governos coordenem ações para conter a pandemia na região.


Américas

Homem usa máscara ao andar de metrô em Nova York, nos EUA, em 25 de junho. — Foto: Carlo Allegri/Reuters

 

A diretora da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), Carissa F. Etienne, informou na terça-feira (21) que, por causa da situação da saúde da população das Américas, a região é mais suscetível aos casos graves da Covid-19.

"Por meio de dados mais detalhados, aprendemos que algumas pessoas são mais propensas a adoecer do que outras. Pesquisas mostram que condições como diabetes, doenças renais e hipertensão, e doenças infecciosas como HIV e tuberculose, aumentam o risco da Covid-19 grave. Infelizmente, muitas dessas condições médicas são comuns nas Américas, o que deixa nossa região mais vulnerável a doenças graves”, disse Etienne.

De acordo com a diretora da Opas, 3 de cada 10 pessoas nas Américas, cerce de 325 milhões de pessoas, são mais vulneráveis a apresentar casos graves da Covid-19 por terem doenças e condições associadas, como diabetes, doenças cardíacas e obesidade. Somente na América Latina e Caribe, são 186 milhões de pessoas mais vulneráveis à infecção.

A Organização reforçou que as pessoas de 15 a 64 anos não são imunes, além de muitos nesta faixa etária viverem com uma ou mais condições de saúde pré-existentes, e que homens têm 2 vezes mais chances que as mulheres de apresentarem as formas mais graves do coronavírus.

"Adultos em idade ativa - pessoas de 15 a 64 anos - não são imunes, e muitos vivem com uma ou mais condições de saúde pré-existentes. Diabetes e doença renal crônica, em particular, são especialmente prevalentes entre as populações adultas [das Américas]", informou Etienne.
Tais dados sobre a vulnerabilidade da população das Américas frente à Covid-19 foram levantados em parceira com a Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres, no Reino Unidos. A parceria permitirá que a Opas desenvolva um modelo adaptado sobre o enfrentamento do coronavírus na região, considerando as características de saúde da população, segundo Etienne.

Ainda durante a coletiva, o membro da Opas, Sylvain Aldighieri, voltou a falar da cloroquina, informando que a organização não recomenda o uso do medicamento no tratamento da Covid-19.

Pandemia não desacelera nas Américas


Ainda na segunda, a Opas informou que a pandemia continua acelerando nas Américas e poucos países conseguiram diminuir a curva de transmissão.

"A pandemia não mostra sinais de desaceleração em nossa região. Na última semana, foram registrados quase 900 mil novos casos e 22 mil mortes, a maioria no Brasil, México e Estados Unidos", disse Etienne.

Segundo a Opas, a região das Américas contabilizaram 7,7 milhões de casos e 311 mil mortes.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: G1



DEIXE SEU COMENTÁRIO

Caracteres Restantes 500

Termos e Condições para postagens de Comentários


COMENTÁRIOS

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.