Postado em quarta-feira, 4 de dezembro de 2019 às 15:03

Concurso de Cartazes estimula estudantes a refletirem sobre Consciência Negra

Os cartazes foram produzidos por estudantes do ensino médio da rede pública.


Da Redação

Um concurso de cartazes, promovido pela Unifal (Universidade Federal de Alfenas), estimulou estudantes da rede pública a refletirem sobre a Consciência Negra. A promoção da justiça racial foi um dos objetivos do concurso, promovido no mês de novembro.

O 1º Concurso de Cartazes sobre a Consciência Negra nas Escolas, intitulado “Isso é sobre vivência”: perspectivas estudantis sobre negritude no Brasil, foi promovido pelo Programa Residência Pedagógica – Ciências Sociais. O projeto fez parte do Mês da Consciência Negra Unifal 2019, realizado pelo Núcleo de Estudos Afro-brasileiros e Indígenas (Neabi).

O idealizador e coordenador do concurso, professor Elias Gomes durante a solenidade de anúncio dos vencedores (Foto: Divulgação)


De acordo com os organizadores, o objetivo foi o fortalecimento dos espaços educacionais para a reflexão e o debate sobre a consciência negra, através da criação artística de cartazes que tematizem a negritude no Brasil, as condições sociais e situações vividas por negras e negros e a promoção do reconhecimento positivo das contribuições da população negra na construção da sociedade brasileira.

“Estamos cumprindo as leis que tornam obrigatório o ensino da História e Cultura Afro-brasileira, o Estatuto da Igualdade Racial e das demais leis que garantem os direitos humanos”, comenta o professor Elias Evangelista Gomes, idealizador e coordenador do concurso. “Aqui, nós educamos para a justiça racial e a valorização da negritude. Tanto na escola como na Universidade estamos formando novas professoras e novos professores que tenham compromisso com as práticas antirracistas”, completa.

Premiação

Após a seleção nas escolas, dois cartazes foram premiados. Um escolhido por júri técnico e outro por voto popular, realizado durante a exposição dos cartazes finalistas, no campus sede, em Alfenas. A decisão foi anunciada no último dia 27.

Prêmio do Júri
Título do cartaz: Patriotismo
Autoras: Bruna Andrade, Fabíola Ribeiro, Samantha Stockler
Professor da Escola: Alessandro Emergente (Sociologia)
Residentes: Brunno Yan e Arthur Oliveira
E.E. Prefeito Ismael Brasil Correa




Prêmio do Público
Título do cartaz: Serei Resistência
Autora e autores: Thais Marques, Flávio Pereira Ribeiro, Pablo Costa
Professor: Marcelo Ribeiro (Sociologia)
Residentes: Matheus Paccini, Hilary Leiko e Jenaina Souza
E. E. Dr Emílio da Silveira



A solenidade para anúncio dos vencedores contou com a participação do reitor Sandro Amadeu Cerveira e do coordenador municipal de Igualdade Racial, João Mota, um dos integrantes do júri técnico.

O concurso envolveu residentes da licenciatura em Ciências Sociais que atuam nas escolas estaduais. A equipe estabeleceu o diálogo com docentes da educação básica, realizou a mediação pedagógica e organizou exposições nas escolas e na Universidade. A partir de um olhar sociológico foi possível tratar temas relevantes sobre a realidade da população negra no Brasil e em algumas partes do mundo.

“Os cartazes finalistas mostraram a força das mulheres negras na agenda pública contemporânea. Retrataram as desigualdades raciais e o protagonismo negro no seu processo de libertação. Chamaram atenção para a beleza e a dor das vivências. Com a força da memória e da compreensão sobre o tempo presente, abordaram o genocídio e o encarceramento da população negra. Assim, podemos dizer que a consciência negra é memória, vivência, parceria e luta. Consciência negra nas escolas é uma educação antirracista capaz de educar a todas as pessoas para relações sociais justas e dignas”, analisa o coordenador do concurso. As informações foram publicadas no site oficial da Unifal.



DEIXE SEU COMENTÁRIO

Caracteres Restantes 500

Termos e Condições para postagens de Comentários


COMENTÁRIOS

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.