Postado em terça-feira, 3 de setembro de 2019 às 16:51

Consumir jiló ajuda a emagrecer? Confira os benefícios desse alimento

Jiló possui nutrientes como vitaminas A, C e do complexo B, minerais como cálcio, ferro, potássio, magnésio e fósforo, além de muitos flavonoides.


O jiló é conhecido pelo seu sabor amargo e é um fruto relativamente pequeno (arredondado ou comprido), de coloração verde escura e casca lisa brilhante. Ele apresenta a polpa macia, porosa e com pequenas sementes brancas.

Do ponto de vista nutricional, o alimento possui em sua composição as vitaminas A, C e do complexo B, minerais como cálcio, ferro, potássio, magnésio e fósforo, além de muitos flavonoides (antioxidantes). Em relação ao seu valor calórico, uma porção de 100 g do alimento possui somente 27 calorias, 1,4 g de proteínas, 6,2 g de carboidratos e 4,8 g de fibras.

No Brasil, ele é cultivado principalmente na região sudeste --o Rio de Janeiro responde por 30% da produção nacional do fruto. Também é muito popular no estado de Minas Gerais. Confira, a seguir, seus principais benefícios, os riscos e contraindicações, além das formas de consumo.

1. Ajuda a emagrecer
Um dos principais benefícios do jiló é auxiliar na perda de peso. Quem está buscando emagrecer pode se beneficiar de seu consumo pelo fato de ele ser pouco calórico e rico em água (aproximadamente 90% do alimento), que promovem a sensação de saciedade. Assim, ao acrescenta-lo à dieta, fica mais fácil de controlar o apetite. Mas o alimento precisa ser associado a hábitos saudáveis, com alimentação equilibrada e a prática regular de exercícios físicos.

2. Combate o mau hálito
O jiló é um poderoso aliado no combate à halitose. Isso ocorre justamente por conta de seu sabor amargo, que estimula as glândulas salivares. O aumento da salivação tem uma poderosa ação bactericida, que ajuda a manter o hálito mais fresco.

3. Ajuda quem tem anemia
O jiló é uma boa fonte de ferro e, por isso, pode ser um ótimo adjuvante no tratamento da anemia, principalmente a ferropriva, que é a anemia causada pela privação ou diminuição dos níveis de ferro no organismo. Estudos demonstram que a carência de ferro é a deficiência nutricional mais comum no mundo, o que demonstra a importância do consumo das fontes alimentares de ferro.

4. Colabora com a pressão arterial
O jiló é rico em potássio. Uma porção de 100 g do alimento possui 213 mg do mineral. O potássio é reconhecido como um mineral que ajuda a baixar a pressão arterial, pois ele regula os níveis de sódio no sangue.

5. É benéfico para o coração
Por ajudar a regular a pressão arterial, o jiló é um aliado do coração. Mas além de ser rico em potássio, o alimento também possui vitamina B1, a tiamina, que ajuda no bom funcionamento do órgão. Estudos sugerem que a suplementação de tiamina pode ser benéfica para pacientes com insuficiência cardíaca. Além do mais, o jiló tem flavonoides em sua composição, compostos que combatem os radicais livres, um dos responsáveis pelo entupimento e inflamação das artérias. Esse componente, ao lado dos alcaloides e esteroides, também colabora para a redução dos níveis de colesterol ruim (LDL) no sangue, o que contribui com a saúde cardiovascular.

6. Faz bem para a pele
Por ser rico em antioxidantes e água, o jiló é um alimento benéfico para a pele e os anexos cutâneos, como unhas e cabelos. Os antioxidantes combatem os radicais livres e previnem o envelhecimento precoce ou acelerado, enquanto a água ajuda a hidratar a pele. Além do mais, o jiló também possui propriedades antifúngicas e antibactericidas, que ajudam a manter a saúde dermatológica.

7. Ajuda a combater o diabetes
Por ter boas quantidades de fibra e ser pobre em carboidratos, o jiló ajuda a controlar a absorção de glicose, evitando os picos e quedas súbitas do açúcar no sangue. Assim, é um alimento interessante para se adicionar à dieta visando uma alimentação mais saudável que ajude a controlar o diabetes.

Riscos e contraindicações
O jiló é um alimento bastante saudável e que em geral não possui contraindicações. Porém, pode ocorrer casos de alergia. Pessoas com esse tipo de reação devem evitá-lo. Além disso, por ser rico em ferro, deve ser consumido com moderação por pessoas que têm excesso desse mineral no organismo. Também deve ser evitado por pessoas que sofram de diarreia, uma vez que é rico em fibras e água que, associadas, favorecem o funcionamento do intestino.
Como consumir

Na hora da compra opte pelos frutos de casca verde, lisos e brilhantes, sem pontos escuros. O prazo de validade do alimento é de 2 a 3 dias. Após esse período, ficam impróprios para consumo com alteração no sabor e textura. O jiló, apesar da fama incômoda de alimento amargo e pouco saboroso, é versátil e pode ser consumido de várias formas, cru ou cozido, em saladas, refogados, acompanhando assados e farofas, e até mesmo em sucos.

Uma receita comum é a do suco de jiló com limão, que é uma mistura muito rica em vitamina C e que ajuda a eliminar toxinas do organismo. Outra opção é o suco de jiló com couve, que também possui o efeito "detox". Uma dica é refogar o jiló com outros ingredientes, como cebola, alho e farinha de mandioca, o que o torna menos amargo e mais saboroso. No entanto, para melhor aproveitar os benefícios do alimento, o ideal é evitar as frituras.

Outra dica para tirar o sabor amargo do alimento consiste em deixá-lo de molho em água com sal por 15 minutos antes de cozinhá-lo. Também é possível fatiar, salgar e deixá-lo em um escorredor por alguns minutos, em seguida, o alimento deve ser lavado para ir ao fogo.

Fontes: Marcella Garcez Duarte, nutróloga e diretora da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran), Marcela Voris, nutróloga da Abran e Débora Palos, nutricionista clínica especializada em Terapia Nutricional.

Fonte: Viver Bem



DEIXE SEU COMENTÁRIO

Caracteres Restantes 500

Termos e Condições para postagens de Comentários


COMENTÁRIOS

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.