Postado em domingo, 18 de agosto de 2019 às 09:09

Mulher que teve 50% do corpo queimado por andarilho em Ouro Fino é transferida para BH

A vítima, que vendia balas em um sinal de trânsito, foi atacada por um rapaz de 19 anos em Ouro Fino.


Foi transferida na sexta-feira (16) para o Hospital de Pronto-Socorro (HPS) João XXIII, em Belo Horizonte, pelo avião do Corpo de Bombeiros, a mulher de 36 anos que teve cerca de 50% do corpo queimado por um homem no meio de uma rua de Ouro Fino, no Sul de Minas, no último domingo (11).A vítima, que vendia balas em um sinal de trânsito, foi atacada por um rapaz de 19 anos com a técnica circense conhecida como "cuspidor de fogo" após um desentendimento entre eles.

Segundo a corporação, o avião Arcanjo 07 voou com uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) até a cidade Pouso Alegre, também no Sul do Estado, onde a vítima estava internada. A mulher foi levada até o hospital na capital, onde passará por um tratamento especializado.

O ataque sofrido pela vítima foi flagrado por câmeras de segurança. O vídeo mostra que a mulher caminhava na avenida Guarda-Mor Lustosa, no Centro do município, quando o suspeito se aproximou, com uma tocha de fogo nas mãos, e joga um líquido inflamável no corpo dela. Na cena seguinte é possível ver as chamas tomando conta do corpo da mulher. Ela corre com o corpo em chamas e é socorrida por uma pessoa que passava pelo local.

As chamas foram rapidamente extintas.De acordo com a PM, o suspeito e a vítima já se conheciam, e o crime teria motivação fútil. Os dois, que dormiam em um albergue da prefeitura, ficavam próximos dos semáforos da cidade fazendo malabares e pedindo dinheiro para os motoristas. Depois do crime, o suspeito fugiu, mas foi encontrado próximo da rodoviária, tentando fugir da cidade. Uma outra andarilha que estava com ele no momento do crime e da prisão também foi detida.

Fonte: Hoje em Dia



DEIXE SEU COMENTÁRIO

Caracteres Restantes 500

Termos e Condições para postagens de Comentários


COMENTÁRIOS

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.