Postado em domingo, 16 de junho de 2019 às 17:05

Polícia investiga se médico suspeito de eutanásia tem envolvimento com outras 2 mortes

Ele foi preso em Boa Esperança após morte de mulher de 72 anos na quarta-feira (12).


A Polícia Civil investiga se o médico preso em Boa Esperança (MG) suspeito de cometer eutanásia na própria tia tem envolvimento com mais duas mortes. Uma delas seria de um bebê de apenas 1 mês, que morreu cerca de três horas depois de passar por uma consulta com Carlos Roberto Naves de Morais.

Após a repercussão do caso, várias pessoas começaram a relatar para a polícia ações parecidas do médico, que foram consideradas suspeitas.

"Tem um inquérito tramitando desde 2013 de uma criança que faleceu após um atendimento médico dele e tem esse caso de uma mulher que era irmã de uma técnica de enfermagem do hospital e a irmã dessa técnica foi atendida pelo médico e na época o médico proibiu ela de realizar exames médicos e ela faleceu", disse o delegado Alexandre Boaventura Diniz.

A criança citada pelo delegado tinha apenas 1 mês e três dias. Ela morreu no ano de 2006, depois do médico dizer que ele não tinha nada.

"A minha irmã voltou embora para casa com ele, chegando lá eu dei um banho nele, dei de mamar, pus (sic) ele para dormir e na madrugada meu filho falece do meu lado e eu nem vi meu filho morrendo", disse a dona de casa, Flaviana Cristina dos Santos.

A certidão de óbito foi assinada pelo médico. A mãe nunca sobe a causa da morte do filho, já que nunca teve acesso ao laudo do IML. Com o depoimento na delegacia, ela acredita que vai ajudar a esclarecer este e outros casos.

"Agora sim eu espero justiça, espero que ele pague preso", disse a dona de casa.

Morte da tia

Imagens de câmeras de segurança mostram o médico Carlos Roberto Naves de Morais pegando um medicamento na farmácia da Santa Casa de Boa Esperança e depois entrando no pronto-socorro onde América Moscardini, de 78 anos, estava internada.

A polícia já ouviu dez testemunhas e acredita que o médico pode ter cometido eutanásia.

"A partir do momento em que ele ficou a sós com ela, o quadro de saúde dela mudou vertiginosamente e inexplicavelmente e aí quando encontraram esses medicamentos letais no lixo do banheiro, que era um lixo onde esse medicamento não poderia estar, ou seja, foi uma coisa atípica, aí foi constatada a possibilidade da eutanásia, que foi confirmada após investigação policial", disse o delegado Alexandre.

Dona América deu entrada no pronto-socorro de Boa Esperança na última quarta-feira com problemas respiratórios. Ela foi atendida e estabilizada. Só que menos de uma hora depois, piorou e morreu.

Nas imagens dá para ver o médico andando pelos corredores onde ficam os quartos dos pacientes. Funcionários suspeitaram da atitude dele e chamaram a polícia, que encontrou uma seringa com restos de cloreto de potássio e caixas de relaxante muscular no lixo de um banheiro.

Uma nota fiscal comprova que o médico comprou o relaxante na Santa Casa um dia antes. A polícia acredita que as imagens dele na farmácia sejam do momento em que ele retirou o outro medicamento.

O medicamento Quelicim é o nome comercial do Sucitrate, que teria sido aplicado na tia do médico. A defesa do médico Carlos Alberto Roberto Naves Morais disse que por enquanto não iria se pronunciar. O delegado pediu que a necrópsia fique pronta em até 10 dias.

Fonte: G1



DEIXE SEU COMENTÁRIO

Caracteres Restantes 500

Termos e Condições para postagens de Comentários


COMENTÁRIOS

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.