Postado em sexta-feira, 7 de junho de 2019 às 23:11

Justiça analisa doação de criança sem consentimento da mãe

A criança foi entregue a uma família pelo pai, mas não teria o aval da mãe; o casal é dependente químico e o caso está sendo investigado.


 Da Redação

A denúncia de que uma criança de Alfenas foi adotada por uma família com a autorização do pai, mas sem o aval da mãe, está sendo analisada pela Justiça. O caso ganhou repercussão essa semana com uma notícia falsa, que circulou nas redes sociais, de que a criança teria sido sequestrada. A Polícia Civil instaurou um inquérito para investigar o fato, além de encaminhar o caso para o Conselho Tutelar e para Promotoria de Justiça da Infância e Adolescência.

A informação falsa foi desmentida durante a semana pela Polícia Civil. De acordo com o delegado Márcio Bijalon, em contato com a imprensa, foi feito contato com a Polícia Civil de Guaxupé que localizou a criança com um primo do pai dela.

A informação é de que há um documento de doação do filho pelo pai com assinaturas reconhecidas pelo cartório. Porém, nesse documento não há a assinatura da mãe, que procurou a Polícia Civil de Alfenas na última terça-feira e afirmou não ter autorizado a entrega do filho a outra família.

De acordo com a Polícia Civil, os pais da criança são dependentes químicos, mas a mãe alega ter o apoio da sua família e que vai procurar tratamento contra a dependência. Ainda segundo a Polícia Civil, a Justiça não autorizou que a criança retornasse para a mãe e está analisando o caso. A família, que está com a criança, entrará com pedido de adoção.

O caso ganhou destaque a partir de compartilhamentos nas redes sociais de informações falsas de que a criança teria sido sequestrada. A Polícia Civil passou a investigar e localizou os envolvidos. Caso a família se sinta ofendida com as postagens poderá entrar com uma denúncia, informou o delegado ao ser questionado pela imprensa.



DEIXE SEU COMENTÁRIO

Caracteres Restantes 500

Termos e Condições para postagens de Comentários


COMENTÁRIOS

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.