Postado em sexta-feira, 3 de maio de 2019 às 19:52

Juros da dívida argentina ´já são impagáveis´, diz economista

Para Emiliano López, professor e pesquisador do Conselho Nacional de Investigações Científicas e Técnicas, medidas neoliberais aplicadas por Macri intensificaram crise econômica no país.


Do Opera Mundi

Tendo atravessado diversas crises, que há cerca de 30 anos impossibilitam o país de equilibrar suas contas, a Argentina, hoje liderada pelo presidente Mauricio Macri, passa por um dos momentos mais críticos desde que declarou moratória às vésperas do natal de 2001.

De 2018 para cá, o país aplicou uma série de medidas para tentar frear a escalada da inflação – que fechou 2018 em 47,6%, a maior dos últimos 27 anos –, e a desvalorização do peso frente ao dólar. Além disso, a crise econômica fez crescer a desconfiança internacional em relação à Argentina, fazendo com que o risco-país (ágio que os investidores cobram para emprestar dinheiro) superasse os mil pontos, tornando-se, de longe, o mais elevado da região.

Buscando evitar a fuga de capitais – que contribui para a desvalorização da moeda –, o Banco Central argentino estabeleceu sucessivos aumentos na taxa de juros. O último foi divulgado na terça-feira (30), fixando a tarifa em 73,9%. Além disso, o país recorreu ao Fundo Monetário Internacional (FMI), em um acordo de empréstimo na ordem dos US$ 57,1 bilhões, e anunciou o congelamento de preços de diversos produtos.

Segundo Emiliano López, professor e pesquisador do Conselho Nacional de Investigações Científicas e Técnicas (Conicet), muitas das medidas aplicadas por Macri só serviram para agravar ainda mais a situação do país.

Em entrevista ao Brasil de Fato, o economista afirmou que “os valores de juros sobre a dívida já são impagáveis”, o que pode levar a Argentina a ter que declarar moratória novamente. Para López, a única saída possível para a crise argentina não é técnica, e sim política. "Só podemos pensar em outro programa político se tivermos um projeto de governo que coloque em primeiro plano as necessidades das classes populares", considera o professor.


[Leia a entrevista completa no site do Opera Mundi]



DEIXE SEU COMENTÁRIO

Caracteres Restantes 500

Termos e Condições para postagens de Comentários


COMENTÁRIOS

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.