Postado em terça-feira, 25 de junho de 2019 às 17:10

O grandioso castelo na terra de Dona Beija


Araxá, que em tupi-guarani significa “lugar de onde primeiro se avista o sol”, é o destino ideal para quem busca momentos revitalizantes e de pura tranquilidade. Localizada no Circuito das Águas de Minas Gerais, a cidade guarda para si histórias dos tempos de reis, personagens marcantes e incríveis casarões que até hoje estão conservados.

Localizada em Minas Gerais, a histórica cidade de Araxá é conhecida por seus atrativos turísticos que se desenvolveram com a inauguração do Termas do Tauá Grande Hotel, em 1944. Além do belíssimo castelo e das águas termais milagrosas, a região conta com diversos atrativos, alguns chegando a datar construção em meados do século 19.

Dona Beja é o personagem mais importante da cidade de Araxá. Foi atribuído a ela o mérito da reconquista do território do Triângulo Mineiro para Minas Gerais em meados de 1814, quando a região tinha sido dominada por Goiás.

Maior destaque do turismo local, a fonte hidromineral que leva seu nome fica dentro das dependências do Grande Hotel, que fica aberto para visitantes e moradores. Segundo as histórias locais, era ali que dona Beja tomava seus banhos.

Dona Beja inspirou ainda vários autores a escreverem romances, livros históricos, roteiros para novela e cinema, peças teatrais e sambas-enredo.

Memorial de Araxá

O Museu Memorial de Araxá tem acervo que homenageia 180 famílias que contribuíram com a cidade, e fica dentro do casarão de Elias Porfirio de Azevedo, um importante maestro do século XIX. A história e cultura do local e desses moradores é contada por meio de quadros, instrumentos musicais antigos, biografias, livros e outros objetos antigos que foram doados por familiares. Ainda dentro do Memorial há um espaço para a realização de eventos, atividades culturais e artísticas.

Museu Calmon Barreto

Criado logo após o falecimento de Calmon Barreto, em 1996, o espaço que o homenageia é o maior museu brasileiro que reúne obras de um único artista, com mais de 170 pinturas e esculturas. Calmon Barreto foi o mais importante artista deAraxá e dedicou sua carreira às ilustrações críticas a respeito da história do Brasil.

Igreja de São Sebastião

Construída no início do século XIX, a igreja de São Sebastião é um dos marcos mais importantes de Araxá. Apesar de estar passando por uma reforma, é possível conhecê-la por fora e observar o estilo arquitetônico simples, com influências jesuítas. Alguns dos artefatos internos estão sendo preservados dentro do Museu da Memória Legislativa, onde podem ser vistos.

Tauá Grande Hotel e Termas de Araxá: conforto e sofisticação em meio a natureza

Construído em 1938 e inaugurado em 1944, o Grande Hotel Termas do Araxá é o maior castelo do Brasil. O projeto arquitetônico foi idealizado por Luiz Signorelli, com inspiração nas edificações coloniais da América espanhola, e todo esboço paisagístico foi feito por Roberto Burle Marx, um dos mais renomados artistas plásticos do país. São 45 mil m² de construção neo-clássica com colunas grego romanas e mármores de Carrara. A simetria perfeita do hotel em relação ao sol faz com que ele seja uma enorme bússola.

Logo na recepção, existem duas lindas pinturas de Joaquim Ferreira da Rocha que representam a Estrada Real, Rota do Ouro e o Circuito das Águas de Minas Gerais. O Solar dos Araxás, o Salão de Inverno do hotel, é o local ideal para ler um livro, apreciar a paisagem através das enormes janelas de vidro e também para tomar um delicioso chá da tarde com vista para o lago. O chão ainda contrasta com a abobada pintada com estrelas para representar o céu da cidade.

Em 1994, o hotel passou por um processo rigoroso de reforma e restauração, e todos os detalhes originais – inclusive o mobiliário – foram mantidos. Hoje, o hotel conta com 283 apartamentos, todos conservados de maneira exata aos dormitórios da década de 1940. As acomodações são divididas nas categorias Standard, Solarium, Superior Solteiro e Casal, Luxo 2, 3 e 4, além de quatro tipos de suítes, a Especial, Nobre, Governamental e Presidencial, que conta com 200 m² e mobília especial fabricada em marfim, sucupira e jacarandá, além do banheiro todo em mármore carrara.

O Grande Hotel conta com diversos salões especiais que eram utilizados para encontros políticos, festas e também como sala de jogos na época em que o cassino ainda era ativo. Todos os nomes são inspirados em cidades mineiras. Entre eles estão:

Salão Congonhas: O Salão Congonhas foi a principal sala usada para reuniões políticas entre Getúlio Vargas e aliados. Os detalhes ficam por conta de duas pinturas de Joaquim Ferreira da Rocha com ênfase na mitologia do Saci e das Guerreiras Amazonas, dos cômodos em estilo chipandale, que imita patas de animais selvagens, do lustre de cristal e do único tapete persa conservado de 1944.

Salão Minas Gerais: Sem dúvidas, é o salão mais bonito do complexo. Circundado por arandelas, janelas com vidros franceses, colunas coríntias e lustres com cristais da Boêmia, o Salão Minas Gerais foi a sede dos jogos de cassino – antes de serem proibidos pelo presidente Dutra. Depois disso, o local se tornou uma das salas mais importantes de eventos sociais da cidade e do país, onde ocorreram e ainda ocorrem festas de casamento, aniversários e bailes.

Salão Ouro Preto: Recitar poemas é uma arte milenar. Não é diferente no Grande Hotel de Araxá, que conta com uma sala especial com palco para saraus, concertos de piano e peças de teatro e shows musicais.

Cine Teatro – Tiradentes: Durante a década de 1940, a sala Tiradentes foi o local mais bem equipado de entretenimento deAraxá. Hoje, o espaço conta com 402 lugares e é utilizado para momentos de lazer para os hóspedes e para eventos.


Lazer

O Grande Hotel ainda dispõe de diversas atividades para o lazer dos hóspedes, como um Salão de Jogos e Scotch Bar para os adultos, quadra poliesportiva, playground, lago para prática de pesca, caiaque e stand up paddle, piscinas, bicicletas e arco e flecha. Ainda há os Taualegres, equipe de monitores especializados para trazer diversão diariamente.

Gastronomia

O complexo conta com cinco espaços gastronômicos, o Quinta do Lago, o Chez Breja, o Varand Grill, o Scotch Bar e o Restaurante Estância Barreiro, que oferecem uma variedade de sabores, excelente atendimento e um lugar repleto de requinte e sofisticação.

Termas de Araxá: tratamento para o corpo e alma

Interligado ao Grande Hotel, o complexo de tratamentos estéticos é um verdadeiro templo para contemplar seu próprio corpo e mente. A grandiosidade arquitetônica é um destaque a parte, que recebe o conceito do número “8” e os ensinamentos de Buda. Ali, o hóspede pode passar por procedimentos para reequilíbrio energético enquanto admira os contrastes entre afrescos e vitrais que contam a história de Araxá. No espaço, nenhum outro som pode ser escutado além de música suave. Um verdadeiro convite para esquecer todos os problemas e ficar sereno.

Os tratamentos

Existem diversos procedimentos estéticos oferecidos pelo complexo, os mais famosos são os banhos sulfurosos e radioativos, que utilizam as propriedades das águas para ação sedativa ao sistema nervoso e tratamento da pele; a piscina emanatória, indicada para relaxamento e terapias para reabilitação de funções motoras e o banho mais tradicional das Termas: o de lama. Uma deliciosa imersão em uma banheira que combina perfeitamente lama negra e as águas especiais de Araxá para completo relaxamento.

Serviço

Quando ir

Com um clima bem tropical, a cidade é ideal para ser visitada em qualquer época do ano, já que há predominância de temperaturas agradáveis e pouca chuva, entretanto, os meses mais secos, durante abril e setembro, deixarão sua visita ainda melhor.

Onde ficar

Tauá Grande Hotel e Termas de Araxá – tauaresorts.com.br/araxa

O que comer

Araxá tem uma culinária muito rica e que recebeu influência dos índios, portugueses e dos tropeiros. Com o tempo, ganhou influência dos imigrantes espanhóis, italianos e árabes. O prato indicado na cidade em quase todos os locais é o tradicional feijão tropeiro. Experimente o Restaurante Tururu e o Pizzaiolo.

Como chegar

De carro

Saindo de São Paulo, o melhor caminho – e também o mais curto – é pela via Anhanguera até o quilômetro 318, já em Ribeirão Preto, quando se deve entrar na rodovia Cândido Portinari – SP-334. De São Paulo até a divisa com Minas Gerais são 440 quilômetros, mais 120 quilômetros pela MG-428, após a divisa, que leva até Araxá.
De ônibus

Partem diariamente de São Paulo com destino a Araxá ônibus da empresa Expresso Adamantina.

Mais Informações: www.expressoadamantina.com.br

De avião

Também é possível chegar a Araxá pelo Aeroporto Romeu Zema, que fica a 4 km da cidade e recebe voos regulares da Azul Linhas Aéreas. Partindo do aeroporto, existem diversas opções de traslados, táxis e vans de transporte coletivo.

Pacotes Turísticos

CVC – www.cvc.com.br

Submarino Viagens – www.submarinoviagens.com.br

Informações Turísticas
www.turismo.mg.gov.br

Fonte: Qual Viagem



DEIXE SEU COMENTÁRIO

Caracteres Restantes 500

Termos e Condições para postagens de Comentários


COMENTÁRIOS

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.