Postado em terça-feira, 26 de março de 2019

Estes são os benefícios e riscos da edição genética

A edição de genes não precisa ser vista como um bicho de sete cabeças, mas é preciso cautela e uso consciência e ético da técnica


A edição genética está entre as mais assustadoras notícias científicas recentes, mas nem todas as edições de genes são iguais. É importante saber se os pesquisadores editam células “somáticas” ou células “germinativas”.

As células da linhagem germinativa são aquelas que se propagam para um organismo inteiro – ou células que produzem espermatozóides e óvulos (conhecidas como células germinativas), ou as células de um embrião inicial que depois se diferenciam em diferentes funções. O que é crítico sobre essas células específicas é que uma mudança ou mutação em uma delas afetará todas as células do corpo de um bebê crescer a partir delas. É por isso que os cientistas pedem uma moratória na edição dos genes das células germinativas ou das células germinativas.

Células somáticas são todo o resto – células em determinados órgãos ou tecidos que desempenham uma função específica. Células da pele, células do fígado, células do olho e células do coração são todas somáticas. As alterações nas células somáticas são muito menos significativas do que as alterações nas células germinativas. Se você obtiver uma mutação em uma célula do fígado, poderá acabar com mais células mutantes do fígado à medida que a célula mutada se divide e cresce, mas nunca afetará seu rim ou seu cérebro.

Nossos corpos acumulam mutações nos tecidos somáticos ao longo de nossas vidas. Na maioria das vezes, os humanos nunca sabem ou sofrem algum mal. A exceção é quando uma dessas mutações somáticas cresce fora de controle, levando ao câncer.

Sou um geneticista que estuda as causas genéticas e ambientais de uma série de distúrbios diferentes, desde defeitos congênitos – lábio leporino e palato – até doenças da velhice como a de Alzheimer. Estudar o genoma sempre implica pensar em como o conhecimento que você gera será usado e se esses usos prováveis ​​são éticos. Então, os geneticistas têm acompanhado o noticiário de edição de genes com grande interesse e preocupação.

Na edição de genes, é importante saber se você está mexendo com uma célula germinativa e, portanto, com um ser humano inteiro e com todos os seus futuros descendentes, ou com apenas um órgão em particular. A terapia genética – para consertar genes defeituosos em órgãos individuais – tem sido uma das grandes esperanças da ciência médica por décadas. Houve alguns sucessos, mas mais fracassos. A edição de genes pode tornar a terapia genética mais eficaz, potencialmente curando doenças importantes em adultos. Os Institutos Nacionais de Saúde mantêm um programa de pesquisa altamente respeitado e altamente ético para desenvolver ferramentas para a edição segura e eficaz de genes para curar doenças.

Mas editar células germinativas e criar bebês cujos genes foram manipulados é uma história muito diferente, com múltiplos problemas éticos. O primeiro conjunto de preocupações é médico – neste momento a sociedade não sabe nada sobre a segurança. “Fixar” as células no fígado de alguém que poderia morrer de doença de uma doença que afeta o órgão é uma coisa, mas “consertar” todas as células de um bebê que já é saudável é uma proposta de risco muito maior. É por isso que o recente anúncio de que um cientista chinês fez exatamente isso criou um alvoroço como esse.


Fonte:Exame



DEIXE SEU COMENTÁRIO

Caracteres Restantes 500

Termos e Condições para postagens de Comentários


COMENTÁRIOS

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.