Alfenas Hoje - Família faz campanha em busca de parente desaparecido
Postado em sábado, 12 de janeiro de 2008

Família faz campanha em busca de parente desaparecido

Henrique Higino

A família do empresário Milton Carvalho de Rezende, 75 anos, lançou uma campanha publicitária nesta semana para tentar encontrar alguma pista sobre o desaparecimento do empresário, ocorrido há quase oito meses.

Ele foi visto pela última vez na noite do dia 21 de abril de 2007, no restaurante Juquinha, na BR-491. Cinco dias depois de desaparecido, o carro do empresário, um Fiat Uno, foi encontrado próximo a um cafezal. Exames da Polícia Civil não encontraram nenhum vestígio de sangue no automóvel.

A campanha publicitária começou com faixas nas cidades de Serrania e Conceição da Aparecida. Em Alfenas, nesta sexta-feira, foi colocado um outdoor no Bairro Vista Grande e outro no trevo da avenida José Paulino da Costa. Em Areado e Machado também foram colocados outdoors, um em cada cidade.

Os anúncios mostram a foto do empresário e um número de telefone da Polícia Civil (0800-2828197) para quem tiver alguma informação. O cartaz destaca que o sigilo é absoluto e termina com um apelo: “A família agradece”.

A Polícia Civil informou que as investigações continuam e que “diligencia policial” tem sido feita.

Poucos Policiais

Com um número reduzido de agentes, a situação do quadro de detetives da Delegacia de Alfenas continua defasado, mesmo após a inauguração da nova sede da Polícia Civil, ocorrida no mês de novembro de 2007.

Para piorar, os Agentes Policiais continuam com desvio de função, alguns fazendo serviço de trânsito e outros cuidando da manutenção de presos, o que resulta em poucos profissionais para dedicar as investigações. Na sexta-feira, apenas três detetives faziam trabalhos de investigação na cidade.

Vanessa Mega

A campanha com outdoors, lançada pela família do empresário Milton Carvalho de Rezende, não é a primeira feita em Alfenas para tentar solucionar, ou cobrar, uma explicação policial de um caso não solucionado.

O pai da estudante Vanessa Mega, morta a tiros na década de 90, na avenida Lincoln Westin da Silveira, também apelou para as placas de outdoors para tentar solucionar o crime e encontrar o assassino da filha. Passado mais de uma década, o autor do homicídio nunca foi encontrado.








   
   
COMENTÁRIOS

3 Comentários


Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.


Comentar essa Notícia
 
 
 
 
   
   
   
Termos e Condições para postagens de Comentários
Comentar essa Notícia










Alfenas Hoje - Jornalismo com responsabilidade
Copyright © 2007 - 2018 - Todos os direitos reservados

Adapt Soluções e Treinamentos