Alfenas Hoje - Pouso Alegre prepara retorno aos gramados, rumo a 1ª divisão do Mineiro
Postado em sábado, 31 de março de 2018 às 12:12

Pouso Alegre prepara retorno aos gramados, rumo a 1ª divisão do Mineiro

Da Redação

O Pouso Alegre Futebol Clube (PAFC), o Dragão do Sul de Minas, prepara o seu retorno aos gramados. A diretoria aproveita a desapropriação do Estádio da Lema pela Prefeitura para se reestruturar, colocando fim as dívidas e estruturando com um centro de treinamentos. O objetivo é retornar a 1ª divisão do Campeonato Mineiro. 

Há cerca de dez dias, o prefeito de Pouso Alegre, Rafael Simões (PSDB), sancionou a Lei Municipal (n° 921/2018) para desapropriação do Campo da Lema, onde o PAFC chegou a disputar a 1ª divisão do Mineiro nos anos de 1989 a 1992.

A área de mais de 8 mil m² que fica ao lado do Hospital das Clínicas Samuel Libânio (HCSL), na Rua Comendador José Garcia, será utilizada pela prefeitura para a construção de uma Unidade de Pronta Atendimento (UPA) e para ampliação do HCSL.

O elenco do PAFC em 1990 com Paulo César Gusmão, Edevaldo, César, Paulo da Pinta, Nonato e Zigomar. Agachados: Heleono, Alcinei, Carlão, Altimar e Anderson (Foto: Reprodução)


O Pousão, como era chamado por torcedores no final dos anos 80, época em que a torcida lotada a Lema, receberá R$ 14,9 milhões na negociação. Parte será paga com um terreno às margens da BR-459 (onde a diretoria planeja um centro de treinamentos), avaliado em R$ 6 milhões, outra parte (R$ 900 mil) será abatida em dívidas fiscais do clube, e os R$ 8 milhões serão pagos em parcelas pela prefeitura. Cerca de 2 mil m² da área do imóvel da Comendador continuará com o PAFC.

PAFC

Ídolo do Pouso Alegre no final dos anos 80 (quando a equipe disputava em alto nível o acesso a 1ª divisão) e integrante do time que disputou a 1ª divisão do Mineiro em 1990, Paulo Sérgio Ladeia de Castro, o Paulo da Pinta, assumiu a presidência do clube no final de 2016. Com ele, a esperança dos torcedores de resgatar o rubro negro sul mineiro.

O Estádio da Lema estava praticamente abandonado e foi desapropriado pela Prefeitura (Fotos: Terra do Mandu)


No final dos anos 80 e em 1990, o Pouso Alegre atraía os torcedores que, muitas vezes, lotavam, o Campo da Lema – até mesmo os treinos era acompanhado com empolgação. Paulo da Pinta viveu em campo a fase áurea do clube em 1990, quando a equipe chegou na quinta colocação do Mineiro.

Naquele time estavam atletas como Nonato (lateral esquerdo que deixou o PAFC para atuar como titular do Cruzeiro por cerca de 7 anos), Edevaldo (lateral direito que disputou a Copa de 1982), Paulo César Gusmão (ex-goleiro do Vasco), o próprio Paulo da Pinta (zagueiro e que depois passou a atuar como volante, defendendo o Cruzeiro e o Criciúma, onde disputou 265 partidas, incluindo as das Libertadores de 1992), entre outros.

Retorno aos gramados

Em entrevista concedida ao portal de notícias Terra do Mandu, Paulo da Pinta explica o projeto para reativar o PAFC e retornar a 1ª divisão do Campeonato Mineiro até 2020. A desapropriação do Campo da Lema é vista como uma oportunidade para que o clube zere as dívidas e se estruture para voltar aos gramados. 

Pela negociação com a Prefeitura, o PAFC receberá um terreno de 41 mil m² às margens da BR-459 avaliado em R$ 6 milhões (onde deverá ser construído um centro de treinamentos), R$ 8 milhões em parcelas, além de um crédito de R$ 900 mil com o abatimento em dívidas fiscais com o Município.

Ao lado do ex-lateral esquerdo Nonato (camiseta branca), com quem jogou no Cruzeiro e no PAFC em 1990, Paulo da Pinta que hoje está na presidência do PAFC (Foto: Reprodução/Facebook)


Paulo da Pinta conta que nem mesmo conta bancária o clube consegue abrir por conta de execuções judiciais que o clube enfrenta. “Por mais de 20 anos que a Lema está parada, que o PAFC está parado, acumulando muitas dívidas, muitas demandas judiciais sem ter defesa por parte da diretoria anterior. Então, esses processos foram correndo. Hoje existem três execuções fiscais na Justiça Estadual, duas execuções fiscais na Justiça Federal, processo de usucapião, processo de penhora, processo de leilão. O clube estava abandonado”, disse o dirigente.

Parte dos R$ 8 milhões será utilizado para zerar todas as pendências financeiras e judiciais para que o clube possa se estruturar. Em abril, o presidente do PAFC vai a Belo Horizonte, na sede da Federação Mineira de Futebol (FMF), para manifestar oficialmente a intenção do clube de retornar a disputar o Mineiro. Uma das condições será acertar um débito acumulado de cerca de R$ 30 mil com a FMF.

O caminho para a elite do futebol mineiro

O PAFC deverá retornar, se tudo correr bem, a disputar a 2ª divisão do Mineiro a partir de agosto deste ano. Se conseguir fazer uma boa campanha, já obtém acesso a elite do futebol mineiro no primeiro semestre de 2019. “Então, em menos de 12 meses você pode sair de uma Segundona para uma primeira divisão”, afirma Paulo da Pinta o lembrar que é preciso respeito as equipes formadas há mais tempo.

A viagem a BH nas próximas semanas também servirá para estabelecer contatos para formação do elenco. Paulo da Pinta usará sua experiência no meio futebolístico (além de atleta, também foi gerente de futebol do Criciúma e do Tubarão/RS) para estabelecer contato com conhecidos que trabalham no Cruzeiro, no Atlético e no América.

A partir do próximo mês deve começar as avaliações com atletas de Pouso Alegre e da região. “Esperamos para a montagem da equipe trazer de 15 a 20 atletas de fora e contar de 10 a 15 atletas daqui da região”, disse. Com o departamento de futebol estruturado, a intenção é trabalhar a formação de atletas da região, utilizando o futuro centro de treinamento.

O Estádio do Manduzão sediará os jogos do Pouso Alegre (Foto: Reprodução/Facebook)


Paulo da Pinta revela que há um acordo com a Prefeitura para que a mesma coloque o Estádio Municipal, o Manduzão, em condições para que o PAFC dispute os jogos oficiais do Mineiro. Com isso, pelo acordo, até julho a administração municipal colocaria o estádio em condições de receber todos os alvarás necessários, inclusive o aval da FMF.

“Isso foi amarrado na negociação [do Campo da Lema]. Para o Pouso Alegre Futebol Clube não adiantava nada quitar todas as dívidas, pegar uma outra área para ter investimento futuro, ter um recurso, um capital para reiniciar o futebol profissional se a gente não tiver um estádio para jogar”, declarou.

Patrimônio do clube

O presidente do PAFC lembra que o clube não está perdendo patrimônio com a desapropriação, uma vez que a negociação permitirá ao clube se reorganizar, zerando dívidas e demandas judiciais e criando uma estrutura que lhe dê sustentabilidade.

Em destaque, o provável uniforme do PAFC em seu retorno aos gramados e as imagens dos modelos comercializados (Fotos: Terra do Mandu e Reprodução/Facebook)


“O Pouso Alegre está zerando sua dívida e está trocando de endereço, porque ele está pegando uma área muito boa, quase dentro da cidade, uma área praticamente quatro vezes maior que a área central, uma área de 41 mil m², bem localizada à beira da rodovia. Além de manter quase 3 mil m² aqui na Lema, na região central. Dessa área, vamos ceder 1 mil m² para abertura de uma rua e vamos ficar com 2 mil m² para locação que vai gerar receita para o clube também. Além de manter um patrimônio no centro da cidade. Então acho que a negociação foi muito boa”, explicou ao afirmar que os projetos estão sendo planejados para que o clube não volte a contrair dívidas.

As informações são do Terra do Mandu







   
   
COMENTÁRIOS

0 Comentários


Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.


Comentar essa Notícia
 
 
 
 
   
   
   
Termos e Condições para postagens de Comentários
Comentar essa Notícia










Alfenas Hoje - Jornalismo com responsabilidade
Copyright © 2007 - 2018 - Todos os direitos reservados

Adapt Soluções e Treinamentos