Postado em quarta-feira, 8 de janeiro de 2020 às 18:06

Ranking aponta Alfenas em 1° entre cidades com 50 mil a 100 mil habitantes

No ranking geral de saúde a cidade é a 9ª colocada; em empreendedorismo é a 76ª.


Alessandro Emergente

Alfenas obteve destaque no ranking nacional de saúde da Connected Smart Cities 2019, estudo realizado pela Urban Systems, especializada em inteligência de mercado, publicado pela revista Exame. A cidade obteve a 1ª colocação nacional quando comparado somente os municípios que possuem de 50 mil a 100 mil habitantes. No ranking nacional da saúde, Alfenas aparece na 9ª posição.

O setor de saúde (que considera a rede pública e privada) é dos 11 eixos que compõem o ranking geral, que apontou Campinas (SP) como a primeira colocada no ranking geral das cidades mais inteligentes e conectadas do país. Alfenas não aparece na relação entre as 100 cidades do país no ranking geral. Em Minas Gerais são apontadas Belo Horizonte – a melhor colocada entre as mineiras está na 13ª posição nacional -, Uberaba, Juiz de Fora, Uberlândia, Nova Lima, Pouso Alegre, Ipatinga, Montes Claros e Ouro Preto.

Além da área da saúde, o estudo também considera economia, energia, governança, educação, empreendedorismo, segurança, tecnologia e inovação, mobilidade e acessibilidade, urbanismo e meio ambiente. Dos 11 eixos analisados, Alfenas aparece avaliada em dois: saúde e empreendedorismo. Os municípios, que não foram classificados entre os 100 mais bem colocados, não tiveram a sua pontuação divulgada no relatório, que pode ser acessado nesse link.

Classificadas pelo número de habitantes

Ao avaliar o eixo saúde, o estudo classificou as cidades de acordo com o número de habitantes: porte pequeno (50 mil a 100 mil habitantes), médio (100 mil a 500 mil habitantes) e grande (a partir de 500 mil habitantes). Entre as cidades de pequeno porte, Alfenas alcançou a liderança nacional com a pontuação 3,762.

No ranking geral da saúde, em todo o país, Alfenas ficou na 9ª posição. Em Minas Gerais, apenas Belo Horizonte (com pontuação 3,985) ficou à frente de Alfenas, sendo a 3ª colocada no ranking nacional. A capital mineira ficou atrás de Palmas (TO) e Vitória (ES), que obtiveram, respectivamente, 4,238 e 4,421 na pontuação.

Para classificar Alfenas na liderança entre as cidades de pequeno porte, os responsáveis pelo estudo consideraram 6,25 leitos por cada mil habitantes e um investimento em saúde de R$ 1.348,00 por habitante.

Critérios

Além de leito por habitantes e investimento em saúde, a metodologia também considerou para compor a nota em saúde os seguintes critérios: mortalidade infantil, médicos por habitantes, cobertura da equipe de saúde da família, percentual da cobertura de coleta de resíduos sólidos, percentual do atendimento urbano de água, além da eventual existência de ciclovias.

Em janeiro do ano passado
, a Prefeitura de Alfenas chegou a anunciar um projeto de mobilidade urbana, que incluía a construção de uma ciclovia. Porém, a licitação para escolha da empresa responsável pelas obras não chegou a ser concluída, apesar de diversas tentativas. Um desses adiamentos foi em março.

O estudo mostra Alfenas como destaque entre as cidades de pequno porte (Foto: Reprodução/Urban Systems)


Ao comentar o resultado, o prefeito Luiz Antônio da Silva (Luizinho/PT) disse à reportagem, em contato por telefone na manhã desta quarta-feira, que um dos itens considerados pelo estudo e que obteve avanços recentemente foi a ampliação da cobertura na área saúde da família. Segundo ele, quatro novas unidades de PSFs passaram a fazer parte da rede de atendimento. Três (Vila Promessa, Jardim São Carlos e Recreio Vale do Sol) já foram inauguradas e uma quarta será inaugurada em breve, no bairro Santa Rita.

Na edição de 2017, Alfenas já havia sido apontada como o principal destaque na área da saúde entre as cidades do interior mineiro. Uma reportagem do jornal Diário do Comércio, da capital mineira, publicou – na edição de 28 de junho daquele ano– uma reportagem sobre o estudo, que colocava quatro cidades no interior de Minas Gerais como destaques em diferentes áreas: Curvelo (mobilidade urbana), Itaúna (urbanismo), Viçosa (empreendedorismo e educação) e Alfenas (saúde).

Em setembro deste ano, uma reportagem da revista Exame antecipou o estudo, apontando Campinas, maior cidade do interior paulista, líder no ranking nacional geral, sendo a cidade mais inteligente e conectada do Brasil em 2019. Campinas se destacou nas áreas de economia, tecnologia e inovação (1º lugar), empreendedorismo (2º), governança (3º) e mobilidade (4º).

Conectividade como conceito

O conceito “conetividade” refere-se exatamente a relação aos diversos setores analisados pelo estudo para o desenvolvimento do município. Um exemplo apontado pelos responsáveis pelo estudo é que o investimento em saneamento não impacta somente no meio ambiente, mas também representa ganhos na área da saúde. A longo prazo os investimentos em saneamento representam economia de despesas em saúde e impactam positivamente em, pelo menos, outros dois eixos: governança e economia.

O destaque na área de saúde por Alfenas não se repete em outras áreas. Apenas no eixo empreendedorismo a cidade aparece entre as 100 mais bem classificadas do país, ocupando a 76ª posição com pontuação 1,374. O relatório divulgado não informa a colocação e a pontuação de cidades que ficaram fora da lista das 100 primeiras colocadas no ranking nacional de cada eixo. As informações detalhadas sobre o estudo podem ser obtidas no site da Urban Systems.

Atendimento em saúde

Em dezembro do ano passado
, uma reportagem do G1/Sul de Minas publicou uma reportagem na qual mostra Alfenas como quarta melhor colocada, em todo o Estado, em um ranking sobre a qualidade de atendimento pelo SUS (Sistema Único de Saúde). 

Alfenas alcançou, nesse outro estudo, a pontuação 0,92, ficando atrás de Divinópolis (0,93), Belo Horizonte (0,94) e Poços de Caldas (0,95), a líder no ranking estadual. As notas variam de zero a um.

O estudo avaliou desde a cobertura em saúde, indicadores de parâmetros, índices de acesso e método de seleção na atenção básica, média e de alta complexidade hospitalar para a população exclusivamente do SUS.



DEIXE SEU COMENTÁRIO

Caracteres Restantes 500

Termos e Condições para postagens de Comentários


COMENTÁRIOS

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.