Postado em quarta-feira, 15 de maio de 2019 às 19:07

Corte na Unifal ultrapassa R$ 11 milhões e atinge serviços à população

Até mesmo atendimentos odontológicos a população devem ser afetados com o bloqueio no orçamento.


Da Redação

O corte orçamentário promovido pelo governo de Jair Bolsonaro na educação ultrapassa R$ 11 milhões na Unifal (Universidade Federal de Alfenas). A medida, que já provocou a demissão de 89 servidores terceirizados, afeta também as áreas de pesquisa, assistência estudantil e até serviços prestados à população. Um protesto foi realizado nesta quarta-feira.

Uma das áreas afetadas é a de odontologia. Atendimentos gratuitos a população devem ser atingidos pela medida. A clínica de odontologia faz cerca de 3 mil atendimentos por mês e deve ser diretamente impactada. " Infelizmente muita coisa vai ter que ser cortada, estamos tendo que adequar à nova situação e infelizmente quem vai pagar sempre é o povo", disse o professor de odontologia, Vital Ribeiro Júnior, em entrevista à EPTV na semana passada.

Pesquisas e vários serviços prestados a população serão afetados (Foto: Reprodução/EPTV)
 

A Unifal divulgou, essa semana, uma nota oficial na qual aponta as consequências para projetos e serviços oferecidos pela Universidade. Além do bloqueio orçamentário, a Universidade já passava pelo contingenciamento imposto pelo limite de movimentação de empenho, o que atinge o Programa Nacional de Assistência Estudantil (PNAES).

“Os impactos já vêm acontecendo desde 2016 quando houve uma diminuição de aproximadamente 15%, e nos anos seguintes a manutenção nominal do mesmo orçamento, não sendo corrigido ou reajustado pelo processo inflacionário”, explicou explica o pró-reitor de Planejamento, Orçamento e Desenvolvimento Institucional, Lucas Cezar Mendonça.

Além do bloqueio de 30% da verba de custeio. A verba de capital, destinada a reformas e investimentos, que era de cerca de R$ 1 milhão, já havia sido cortada em 90%, o que gerou as demissões dos funcionários terceirizados.

400 estudantes perderão auxílio


Outro impacto é na bolsa de extensão universitária que foi reduzida de R$ 400 para R$ 300. Dos cerca de 2 mil estudantes atendidos com o auxílio-alimentação, 400 vão perder o benefício. Outros 600 vão ter a ajuda cortada pela metade.

Atualmente, 775 universitários recebem uma bolsa permanência para ajudar nos custos de moradia e alimentação. Mas, pelo menos 50 deles terão a ajuda suspensa. Além disso, 132 bolsas de iniciação científica e de mestrado que teriam o financiamento foram suspensas.

Segundo o pró-reitor, não há como promover uma diminuição em algumas despesas como água e energia elétrica, no curto prazo, sem que afete o funcionamento diretamente. “Internamente foi realizado um corte proporcional de 30% para os recursos de pós-graduação, extensão, graduação, pesquisa, capacitação, o que de imediato interferirá nas bolsas de iniciação científica para o 2º semestre, nas bolsas de monitoria e, também, no valor das bolsas de extensão, que eram de R$400,00 e passarão para R$ 300,00”, explica.

Medidas extremas estão sendo tomadas para controlar o orçamento como o corte de papel toalha nos banheiros e a suspensão de cafezinho aos servidores. Caso não haja uma mudança de cenário até o final do ano, o pró-reitor alerta que o contingenciamento de 90% dos recursos de investimento poderá comprometer a continuidade da obra do Biotério de Criação de Animais que está sendo construído para atendimento das normas dos órgãos que fiscalizam as pesquisas com animais.



DEIXE SEU COMENTÁRIO

Caracteres Restantes 500

Termos e Condições para postagens de Comentários


COMENTÁRIOS

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.