Postado em 22 de dezembro de 2020

A tragédia nacional

Autor(a): Humberto Azevedo

Segunda-feira, 14 de dezembro, quase 182 mil brasileiros já perderam a vida devido a pandemia do novo coronavírus (covid-19). O país, miserável, assiste agora a disputa entre os brasileiros que aguardam ansiosamente pelas vacinas contra aqueles cidadãos, que baseados nas notícias falsas mais absurdas, começam a negar às vacinas.

Assim como na guerra, por enquanto apenas virtual, das vacinas contra o movimento anti-vacina, que tanto mal fazem a inocentes, e que permitiram o retorno de doenças até então superadas e que voltaram a desafiar as autoridades médicas por estes tempos com ares modernizantes em pleno século 21, o cenário trágico se repete em todas as searas da vida nacional.

Sustentado por um eficiente esquema e sistema de propulsão de notícias, na maioria todas falsas, compartilhadas por meio de aplicativos de celulares, o consórcio político atualmente no poder federal, que reúne os mais radicais dos ruralistas em meio a empresários de todos os ramos, militares e policiais, alguns deles com enormes fichas corridas de malfeitos, vai conseguindo, intento a intento, enquanto travam inúmeras disputas, avançar naquilo que almejam.

Se no início da pandemia a luta nas redes sociais se dava entre a vacina do laboratório suíço Astrazeneca, produzida em parceria com a universidade inglesa de Oxford e que no Brasil é desenvolvida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), contra a coronavac da empresa farmacêutica chinesa Sinovac, produzida em parceria com o Instituto Butantan de São Paulo, o conflito envolvendo vacinas chegou agora entre tomar, ou não tomar vacina.

Para retratar isso o compositor paraíbano Chico César, conhecido ativista desde os tempos em que alcançou o primeiro sucesso com Mama África, nos anos 90, cantarolou alguns versos: “Eu vou tomar vacina, quem não quiser que tome cloroquina! Não vou passar vergonha, quem quiser que escute esse pamonha! Estou já de braço esticado, com muque amarrado para tomar esse pico, se o vírus me pega e me agarra, cadê a minha amarra, como é que eu fico? Não brinco nenhum carnaval, nem um tico”.

Não bastasse estarmos em meio a maior pandemia dos últimos 100 anos se abatendo sobre a humanidade, no Brasil, temos que lidar com o vírus da ignorância pandemica que nos arrasta para o eterno subdesenvolvimento tão bem retratado na canção de Carlos Lyra e de Francisco de Assis, que agitou parte da juventude politizada dos anos 60 que a ditadura, que sonha em regressar, tentou calar.

O país que no início da última década sonhou alto em ter conseguido um lugar de fala no mundo, vê agora um auxílio emergencial de R$ 600,00, menos de 120 dólares, representarem as condições mínimas para mais de 67 milhões de brasileiros, que receberam o benefício, e que agora, em janeiro de 2.021, estão ameaçados do corte dos recursos, mesmo com a continuidade da pandemia.

A crise do coronavírus escancara a crise sistêmica do capitalismo, de 2.007/2.008, que arrastou milhões de pessoas no mundo para a pobreza absoluta, quebrou inúmeros bancos, e em resposta proporcionou uma maior concentração de riqueza nas mãos dos menos de 01% do mundo, que possui mais de 99% de toda riqueza gerada pelo planeta. E as guerras virtuais tem como objetivo escamotear a servidão da dívida que bilhões possuem agora com os donos do dinheiro.

Enquanto a “tia do zap”, ou o “tio do zap”, ajudam a prestar o serviço para desinformar a população, um país carcomido por não tirar da Constituição “cidadã” federal, de 1.988, as várias conquistas e direitos, que hoje são apenas “letras mortas” da lei, vamos cada vez mais se aproximando do cenário que resultou a Revolução de 1.930. Se os adoradores de 64 querem tanto revivê-lo, se esquecem que o momento não é de lembrar João Goulart, e sim Washington Luís. Só resta saber quem será o Getúlio que surgirá com a hecatombe prestes a explodir.


** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Alfenas Hoje

Humberto Azevedo
Jornalista e consultor político
Humberto Azevedo é jornalista profissional, repórter free lancer, consultor político, pedagogo com especialização em docência do ensino superior, além de professor universitário, em Brasília (DF).

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa

Estou de acordo