Postado em 9 de março de 2020

Ideologias a parte, o Brasil encontra-se pressionado pelos interesses chineses e norte-americanos

Autor(a): Humberto Azevedo

A primeira semana do último mês de 2.019 acabou. Mas em meio as bagunças e acertos tratados na esfera federal que terão consequência em 2.020, algumas se sucedem como bombas de efeito retardado que tão logo ativadas poderão ter alcance longevo de destruição. Exemplo é o bico sinuca em que o governo brasileiro se meteu com os governos da República Popular da China e com os Estados Unidos da América.

Se por um lado a ideologia predominante atualmente no Itamaraty determina que a aliança pelo Brasil envolve uma parceria binária com o país da águia, os interesses comerciais dos grandes produtores de commodities exportados em larga escala em especial para a China exigem que o governo brasileiro mantenha ótimas relações institucionais e comerciais com o nosso maior parceiro comercial do momento.

O olhar para a China não é só uma exigência de empresários exportadores, mas também um direcionamento da caserna – onde os principais quadros do atual governo federal sabem que não há hipótese do país de uma hora para outra anunciar que não se interessa mais pelas coisas relacionadas aos BRICS fundado pelo governo nacional que hoje é considerado como inimigo.

Essa trinca de interesses que não possuem harmonia entre si vai propiciando um ambiente e um caldeirão pronto a estourar a qualquer momento. Não à toa o presidente estadunidense, Donald Trump, ameaçado de impeachment taxou em mais 10% a exportação brasileira de aço e alumínio voltada para o mercado norte-americano. O jogo – pelo menos para os Estados Unidos – não é o aço e muito o alumínio brasileiro. Os EUA veem com muita preocupação as relações sino-brasileira que poderá permitir a gigante chinesa Huawei tome de conta da exploração comercial da internet 5G no Brasil.

A conquista chinesa pelo 5G no Brasil seria a longo prazo uma enorme derrota para os Estados Unidos que luta desesperadamente para se manter no controle e manter suas empresas controlando mercados centrais e periféricos. A possível vitória da Huawei nos lotes do 5G no país propiciaria um avanço danado da China sobre a América Latina, considerada o quintal da Casa Branca.

Para confirmar essa história, o site do jornal norte-americano HuffPost informou na noite desta última quarta-feira, 4, que o governo dos Estados Unidos da América (EUA) pode cancelar o Acordo de Salvaguardas Tecnológicas (AST) com o Brasil envolvendo a Base de Alcântara, no Maranhão, se o país firmar parceria com a empresa chinesa Huawei permitindo que ela participe do leilão que permitirá a exploração comercial da internet 5G.

Procurado pelo site, o brigadeiro Rogério Veríssimo, responsável pelo acordo afirmou que tal informação não passa de “fake news”. A parceira com os EUA envolvendo a Base de Alcântara deverá oferecer ao governo brasileiro cerca de R$ 41 bilhões pelo “aluguel” do local que será usado para lançamentos de foguetes, aeronaves espaciais e satélites. Só resta, agora, aguardar os acontecimentos.

Paralelo a isso, a primeira audiência pública da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga as origens e as responsabilidades do derramamento de óleo nas praias cariocas, capixabas e nordestinas desde agosto apontou nesta quinta-feira, 5, que o governo brasileiro errou ao não buscar no monitoramento das imagens de satélite o aprofundamento da questão.

Pelo menos foi o que falou aos parlamentares o professor da Universidade Federal de Alagoas (UFAL), Humberto Barbosa, responsável pelo Laboratório de Análise e Processamento de Imagens de Satélite (Lapis) que contou, ainda, que descarta que o óleo tenha sido vazado de embarcações que passaram pela região. Segundo o pesquisador a maior tragédia ambiental do litoral brasileiro tem grandes chances de ter sido causada por um abalo sísmico no fundo do mar que teria rompido um dos poços localizados no Pré-Sal.


* Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Alfenas Hoje

Humberto Azevedo
Jornalista e consultor político
Humberto Azevedo é jornalista profissional, repórter free lancer, consultor político, pedagogo com especialização em docência do ensino superior, além de professor universitário, em Brasília (DF).