Postado em sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014 às 12:56

Menor diz ser rejeitado pelos pais e que prefere ficar apreendido do que furtar nas ruas

Arrependido dos delitos, o menor disse que os pais não o querem.


Da Redação

Um fato inusitado, ocorrido em Alfenas, foi divulgado pela PM (Polícia Militar) nesta sexta-feira. Um menor, de 17 anos, disse aos policiais que os pais não o querem e, por isso, prefere permanecer apreendido do que continuar a prática delitos nas ruas.

O adolescente é conhecido no meio policial por reiterados roubos e furtos. Mas, segundo a PM, ele se mostra extremamente arrependido dos delitos e, no último dia 18, foi espontaneamente até a Secretaria de Defesa Social, entregou uma bucha de maconha e confessou a autoria de diversos furtos. O jovem disse que é usuário de drogas.

A PM afirmou que foi feito contato com os pais do menor, mas os dois negaram que tinha a guarda do adolescente. “Cada um dizia que a guarda não lhes pertencia e sim ao outro”, informou a corporação à imprensa. 

Menor se diz rejeitado e prefere ficar apreendido do que voltar para a rua (Imagem ilustrativa)

Para a PM, o relato é um exemplo das consequências que o problema social da rejeição, fato estudado por antropólogos e sociólogos mundo a fora, acarreta ao jovem. Segundo o antropólogo Luiz Eduardo Soares, se a criança só experimenta rejeição, ressentimento e insegurança, ela tende a não se identificar com esses valores ditados pela sociedade; depreende-se daí, que o comportamento ideal não é por ela assimilado com a consequente anulação dos mecanismos sociais de autocontrole.

A PM disse ser essencial atuação de todos os órgãos de defesa social, envolvidos no problema dos menores em constante conflito com a lei, não somente na elaboração de estratégias. Mas, segundo a corporação, em ações que visem acompanhar “mais de perto” os problemas familiares.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Caracteres Restantes 500

Termos e Condições para postagens de Comentários


COMENTÁRIOS

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.