Postado em quarta-feira, 11 de julho de 2018 às 12:08

Poliomielite:por que caso na Venezuela fez governo brasileiro emitir alerta importante?

A poliomielite é uma doença conhecida popularmente como paralisia infantil e a vacinação é a única forma de prevenção. Embora no Brasil a condição esteja erradicada desde 1990...


 A poliomielite é uma doença conhecida popularmente como paralisia infantil e a vacinação é a única forma de prevenção. Embora no Brasil a condição esteja erradicada desde 1990, segundo o Ministério da Saúde, esse resultado só foi - e continua sendo possível - por conta da vacinação constante das crianças brasileiras.

No entanto, recentes acontecimentos têm chamado atenção das autoridades em saúde. Um caso da doença foi confirmado e outros estão sendo investigados na Venezuela, país que faz fronteira com o Brasil, e que costuma trazer um fluxo importante de refugiados para o País, em especial nos estados da Região Norte.

Somado a isso, a vacinação em crianças tem sido cada vez mais baixa em todos os cantos do Brasil. E, por isso, o Ministério da Saúde fez um alerta geral para que pais e responsáveis mantenham as vacinas dos pequenos em dia.

A circulação do vírus e crianças sem imunização podem trazer a poliomielite à tona. Entenda o problema:

Poliomielite


Casos na Venezuela

Em nota, a SBP (Sociedade Brasileira de Pediatria) emitiu um alerta sobre o perigo da poliomielite ao citar uma divulgação feita pela Sociedade Venezuelana de Saúde Pública, no início de junho, em que é confirmada a existência de casos de paralisia flácida aguda (pólio), identificadas no estado de Delta Amacuro, na comunidade La Playita del Volcán.

O caso ocorreu em uma criança de apenas dois anos e dez meses de idade, sem antecedentes de vacinação prévia e que, após desenvolver o quadro de paralisia flácida aguda, foi diagnosticada com poliovírus vacinal tipo 3, a poliomielite.

Após a confirmação do caso, as autoridades de saúde da Venezuela encontraram mais ocorrências, também em crianças, em uma comunidade vizinha, e que estão sob investigação.

Poliomielite no Brasil



Os casos na Venezuela acenderam o alerta vermelho do Ministério da Saúde após constatar que 312 municípios brasileiros estão com cobertura vacinal abaixo de 50% para a poliomielite, sendo 95% o esperado. Isso significa que nestes locais, metade das crianças que deveriam estar vacinadas não estão protegidas.

Todas as crianças menores de cinco anos de idade devem ser vacinadas, conforme esquema de vacinação de rotina e na campanha nacional anual.

A vacina pode ser encontrada em qualquer posto de vacinação do SUS, sem qualquer custo, e está disponível durante todo o ano. Entre 6 a 31 de agosto de 2018 será realizada a próxima Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite.

A recomendação é que a criança tome três doses da vacina inativada (VIP), aos dois, quatro e seis meses de idade. Depois, dois reforços com vacina oral (VOP) aos 15 meses e aos quatro anos de idade.

Poliomielite: o que é?



Trata-se de uma doença infectocontagiosa viral aguda, causada pelo poliovírus (sorotipos 1, 2, 3), que pode ou não acarretar em um quadro de paralisia flácida, a paralisia.

Costuma acometer membros inferiores, de forma assimétrica, tendo como principal característica a flacidez muscular do local afetado.

Transmissão

Crianças e adultos podem ser infectados ao ter contato direto com fezes ou saliva de pessoas infectadas. A multiplicação desse vírus começa na garganta ou nos intestinos, locais por onde entra no organismo. Em seguida, ela percorre a corrente sanguínea e pode chegar a atingir o cérebro.

Se for o caso, pode haver uma infecção no sistema nervoso, que poderá destruir os neurônios motores e provocar a paralisia flácida em um dos membros inferiores (quadro mais comum).

No entanto, a poliomielite pode ser fatal se a infecção acontecer em células dos centros nervosos que controlam os músculos respiratórios e da deglutição.


Fonte:Vix

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Caracteres Restantes 500

Termos e Condições para postagens de Comentários


COMENTÁRIOS

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.