Postado em terça-feira, 12 de junho de 2018 às 10:10

Verdades e mitos sobre a saúde do homem leia e saiba mais

 Ao contrário do que se imagina, eles se preocupam com a própria saúde. O problema é o tempo que levam para buscar ajuda especializada. Previna o risco de diagnósticos tardios conhecendo as dúvidas e queixas mais comuns desse grupo.

Tudo começou com uma coceira na virilha. Paulo Genovese, um jovem pro?ssional do mercado ?nanceiro, notou o incômodo, mas não lhe deu importância, nem contou nada a ninguém.

Achou que era apenas uma reação natural às altas temperaturas daqueles dias. Passados três meses, a pele estava completamente lesionada, e o rapaz já não podia usar cuecas. Foi então que resolveu ir ao pronto-socorro vizinho à sua casa, às 4h! O médico, ao ver que se tratava de uma simples micose, perguntou: “Você está sofrendo com isso há 90 dias e somente hoje, a essa hora, resolveu pedir ajuda?”.

Situações como essas podem parecer absurdas, mas retratam um comportamento bastante previsível entre os homens. De acordo com os estudos realizados sobre o tema, a demora em buscar auxílio médico é uma das razões da morte prematura entre eles. Além de viverem, em média, sete anos menos do que as mulheres, homens têm incidência de doenças cardíacas, câncer, diabetes, colesterol e pressão alta, entre outras patologias, mas tendem a desprezar práticas preventivas.

Dados do The European Men’s Health Forum (EMHF) mostram que quando os meninos se tornam adultos, e já não são mais acompanhados por seus pais nas visitas médicas, a procura por ajuda especializada ocorre somente em situações extremas. A di?culdade de acesso aos especialistas, normas culturais e percepções erradas sobre o que é uma consulta são outros fatores que in?uenciam essa atitude.

O médico Ian Banks, presidente da EMHF, num artigo publicado pelo British Medical Journal, a?rmou que existem muitos mitos sobre a saúde dos homens. O maior deles é o de que eles não se preocupam com a própria saúde. “A verdade é que se sentem incapazes de falar sobre seus problemas, e só procuram auxílio quando é tarde demais.”

A VivaSaúde consultou diversos médicos para comentar sobre as dúvidas mais comuns referentes à saúde masculina. Con?ra a seguir o que é verdade e o que é mito sobre eles:

Caxumba causa esterilidade

Verdadeiro. A parotidite epidêmica (caxumba) é causada por um vírus que pode atingir os testículos. Segundo o urologista Carlos Sacomani, do Hospital Samaritano (SP), cerca de 15% a 25% dos homens que apresentam a doença após a puberdade podem ter in?amação do testículo.

De acordo com a gravidade e intensidade do processo in?amatório, haverá posterior atro?a testicular e, consequentemente, infertilidade. Carlos Bayma, chefe do setor de urodinâmica do Hospital Esperança Recife (PE), explica: “Felizmente a incidência é rara, e mais comum entre adolescentes e adultos jovens. Em alguns casos, há recuperação entre 6 e 12 meses”.



Câncer de próstata é doença de idoso

Parcialmente verdadeiro. Esse tipo de câncer é raro abaixo dos 40 anos de idade, mas, embora seja mais comum após os 60 anos, não é exclusividade dos idosos. O pico de incidência se dá entre 70 e 75 anos, só que quando afeta homens mais jovens, e não é tratado, pode ser causa de óbito.

Perda de massa muscular é inevitável
Verdadeiro. Entre as características mais marcantes do envelhecimento está a troca de massa magra (músculo) por gordura. A perda muscular está associada a quedas e suas terríveis consequências como fraturas. De acordo com a geriatra Cybelle Diniz, do Hospital Samaritano (SP), “a boa notícia é que exercícios físicos, associados a uma dieta equilibrada, melhoram o quadro”.

Disfunção erétil é um problema psicológico
Parcialmente verdadeiro. A disfunção erétil pode ser de origem orgânica ou psicogênica. Diabetes, hipertensão arterial, doenças vasculares, uso de alguns medicamentos podem levar à di?culdade de se obter, manter ou ter uma ereção satisfatória.

“Quanto mais jovem for o homem, maior a chance de a disfunção erétil ser psicogênica”, fala Carlos Sacomani. “E, à medida que se envelhece, as causas orgânicas adquirem maior importância. Mas, em qualquer faixa etária, estresse, ansiedade, preocupações, di?culdade de relacionamento, ou seja, componentes ditos psicológicos, podem interferir.”

Vasectomia aumenta risco de doença cardíaca
Falso. Os urologistas consultados na matéria a?rmam que os estudos cientí?cos realizados até o momento demonstraram não haver aumento do risco de doença cardíaca em homens submetidos à vasectomia.

Homem não tem ciclos de fertilidade
Parcialmente verdadeiro. Diferente da mulher, o homem não possui ciclos de fertilidade. Desde a puberdade ele produz espermatozoides capazes de fecundar o óvulo. Carlos Bayma, médico especializado em Urologia e chefe do Setor de Urodinâmica do Hospital Esperança de Recife (PE), alega que os ciclos existem, mas de forma diversa dos da mulher.

“A testosterona é ?utuante em seus níveis séricos, e isso in?uencia os gametas masculinos. O fato está diretamente ligado à idade, ao estilo de vida e ao consumo ou não de álcool e tabaco”, conclui.





Fonte: vivasaude