Postado em sexta-feira, 28 de abril de 2017 às 22:10

Manifestantes fazem caminhada até o trevo

Alessandro Emergente

Manifestantes contrários às reformas promovidas pelo Governo Temer foram às ruas nessa sexta-feira para protestarem. Eles fizeram uma concentração na Praça Getúlio Vargas e seguiram até o trevo de acesso a cidade (no entroncamento da MG-179 com a BR-491), onde chegaram a interditar o trânsito por cerca de 40 minutos, segundo os organizadores.

A manifestação em Alfenas faz parte de um movimento nacional contrário as reformas promovidas pelo presidente da República, Michel Temer (PMDB): a reforma trabalhista e da Previdência Social. As duas reformas tramitam no Congresso Nacional e essa semana o governo conseguiu acelerar as mudanças nas leis trabalhistas, aprovando-as na Câmara dos Deputados. No entanto, ainda precisa ser votada no Senado Federal.

A concentração, convocada por diversas entidades ligadas a trabalhadores, servidores e movimento estudantil, começou por volta das 14h. O trecho em frente ao Clube XV foi interditado, onde os manifestantes promoveram um ato político com discursos contra as reformas. O prefeito de Alfenas, Luiz Antônio da Silva (Luizinho/PT), usou o microfone para criticar a reforma da Previdência Social.

Atrás de um caminhão de som, os manifestantes seguiram em direção ao trevo. Durante o trajeto, eles gritavam frases de efeito contra a reforma e o Governo Temer: “O Temer vai cai, vai cair, vai cair. A reforma vai cair, vai cair, vai cair”.

Críticas à Acia

Em um dos momentos, ainda na Praça Getúlio Vargas, na esquina com a rua José Dias Barroso (onde fica a sede da Acia), a manifestação parou para criticar a postura da direção da Associação Comercial e Industrial de Alfenas. Um dia antes, a direção da entidade teria pago um carro de som com mensagens contrárias a paralisação dos trabalhadores nessa sexta-feira, 28 de abril.

A iniciativa da Acia foi vista pelo movimento social contra a reforma como uma afronta aos trabalhadores. Segundo uma das manifestantes, ao usar o microfone, a entidade teria intimidado trabalhadores a não aderir ao movimento.

Os manifestantes saíram da Praça Getúlio Vargas e seguiram até o trevo (Fotos: Allessandro Emergente/AH)


Na sequência, os manifestantes seguiram até o trevo, chamando a atenção da população. Lá, chegaram a interditar o local por cerca de 40 minutos, onde fizeram um ato político contra as reformas, segundo Vagner Ribeiro, da diretoria da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB).

Os organizadores da manifestação e a Polícia Militar apresentaram números divergentes em relação aos participantes. Segundo a PM, cerca de 200 pessoas estavam presentes, enquanto os organizadores apontaram que cerca de 500 pessoas participaram do ato.

Paralisação

A paralisação em Alfenas atingiu servidores públicos municipais, federais e professores da rede estadual. Na Prefeitura, os serviços foram suspensos e somente atendimentos emergenciais foram mantidos, como a escala mínima de 30% no caso da Guarda Civil Municipal (GM).

Na última segunda-feira, uma assembleia geral, promovida pelo Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Alfenas (Sempre Alfenas), decidiu pela adesão à paralisação nacional. No caso da rede estadual de ensino, a assembleia do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-Ute), que decidiu suspender a greve da categoria no último dia 17, também definiu pela paralisação nacional do dia 28.








   
COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.


 

16 Comentários

Comentar essa Notícia
 
Carregar mais comentários
   
Termos e Condições para postagens de Comentários
Comentar essa Notícia










Alfenas Hoje - Jornalismo com responsabilidade
Copyright © 2007 - 2017 - Todos os direitos reservados

Adapt Soluções e Treinamentos