Postado em terça-feira, 13 de setembro de 2016 às 20:39

Apenas uma agência mantém atendimento normalizado durante a greve dos bancários

Alessandro Emergente

A greve dos bancários chega, nesta quarta-feira, ao 9˚ dia sem acordo entre patrões e funcionários. Em Alfenas, a adesão atingiu as agências privadas, que fecharam as portas, mantendo apenas os caixas eletrônicos para atendimento ao público.

A agência do Banco do Brasil (BB) é a única que mantém o atendimento ao público normalizado, segundo o Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários de Varginha e Região (Seeb).

De acordo com o sindicalista Marcelo Pizzo, da diretoria do Seeb, Alfenas tem cerca de 170 bancários e apenas a agência do Banco do Brasil está com o atendimento normalizado. Outras agência do BB na região aderiram a greve da categoria, segundo o sindicalista.

As agências dos dois maiores bancos privados em Alfenas, Itaú e Bradesco, permaneceram fechadas nesta terça-feira. Somente o atendimento nos caixa eletrônicos é disponibilizado aos clientes e usuários dos serviços bancários. Porém, as filas se tornaram um desafio para os clientes.

Pizzo explica que as agências mantém um mínimo de 30% de funcionários em atividade, além do autoatendimento, o que é uma exigência legal. No Sul de Minas, a paralisação atingiu 64% das cidades, segundo dados dos sindicatos de Varginha, Pouso Alegre e Poços de Caldas.

Sem acordo

Na tarde de terça-feira, representantes da Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) e da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) reuniram-se em São Paulo, mas não houve acordo. Segundo a Contraf, a Fenaban não apresentou nova proposta, e uma nova rodada de negociação foi marcada para quinta-feira.

Em entrevista ao AH, no início da tarde de terça-feira, Pizzo já previa que haveria dificuldade na reunião e se mostrou pessimista em relação a um acordo. Isso porque, segundo ele, a proposta dos banqueiros ficou “bem aquém” do reivindicado pela categoria.

Os bancários querem um reajuste de 9,57%, referente a inflação, medida pelo INPC (Índice Nacional de Preço ao Consumidor) no período de 1˚ de setembro do ano passado a 31 de agosto deste ano. Além disso, a reivindicação inclui mais 5% de aumento real.

Na semana passada, a Fenaban chegou a propor um reajuste de 6,5% sobre as remunerações, além de um aumento de 7% na participação sobre lucros e resultados (PLR) e para os auxílios refeição, alimentação, creche, além de abono de R$ 3 mil. A proposta não agradou os bancários.

Pizzo explica que, além de um reajuste abaixo da inflação, o abono não incorpora ao salário e, por isso, os bancários teriam perdas na parcela do 13˚ salário e na aposentadoria.

Os bancários das agências dos dois maiores bancos privados aderiram a greve (Foto: Alessandro Emergente)








   
COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.


 

1 Comentários

Comentar essa Notícia
 
   
Termos e Condições para postagens de Comentários
Comentar essa Notícia










Alfenas Hoje - Jornalismo com responsabilidade
Copyright © 2007 - 2017 - Todos os direitos reservados

Adapt Soluções e Treinamentos