Postado em 6 de junho de 2018

Sabe aquelas pessoas que começam a fazer Yoga com objetivos superficiais?

Autor: Diva Paiva

 Sabe aquelas pessoas que começam a fazer Yoga com objetivos superficiais? Talvez tenha sido esse o meu caso ou o seu, não faz mal. Todo mundo pode desejar o que é belo e fácil, mas com o tempo devemos compreender que a beleza só pode vir da saúde e de um mundo interior melhor, pleno de sentido e vigor. Que o corpo e a mente tornem-se refinados por um trabalho constante feito de exercícios sutis com disciplina e conhecimento existencial. Mas tem muitos que desanimam nos primeiros passos.

Acontece que quem chega para fazer Yoga achando que se trata de um conjunto de exercícios leves, para modelar o corpo e eliminar dores nas costas, depois de dois ou três meses, tendo a silhueta redesenhada e passadas as dores, nem se lembra mais que as teve um dia; pensa: “Para que mesmo estou fazendo Yoga?” E desiste, antes mesmo de ler um bom livro sobre o assunto ou de tentar entender com mais profundidade sua bela filosofia de vida e de saúde. De repente, já partiu para outra. Infelizmente, “só passou pela vida, não viveu”.

É verdade que as novas gerações são mesmo mimadas por um universo de consumo que lhes custa absorver. Mas, uma vez que alguém se sente atraído pela palavra Yoga, por suas posturas e significados sutis, penso que nós, instrutores de Yoga, ajudaríamos mais ao iniciá-los com boa dose de cultura indiana, mostrando a profundidade dos ensinamentos como meditação e a purificação interior, ética e comportamento. Também propondo que pratiquem relaxamento e meditação diária; ensinando a adquirir saúde plena através de dietas frugais, cheias de energia vital. Nós devemos nos empenhar para além daquilo que apenas satisfaz os olhos Nosso propósito é guia-los para se tornarem verdadeiros sádhakas, praticantes de Yoga.

Diva Paiva
Terapeuta Shiatsu
Professora de Yoga

-